LRphotography

LRphotography

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Lista de Inscritos - Rali Viana do Castelo 2012



Já se encontra on-line a lista de inscritos da primeira edição do Rali Viana do Castelo que vai para a estrada este fim-de-semana. Reunindo cerca de 40 inscritos, prevê-se uma prova bastante interessante em todos os niveis. Consulte aqui a lista.
Pedro Silva com prova condicionada





 A Catedral dos ralis a norte - Fafe, foi palco no passado sábado de mais uma ronda do Campeonato Regional Ralis Nordeste, competição que se inseriu na Taça de Portugal de Ralis e ainda Campeonato de Portugal de Ralis.


O Rallye Serras de Fafe, prova a cargo a Demoporto, fui uma jornada bastante complexa para a dupla Pedro Silva e Valter Cardoso, que apesar de tudo conseguiram somar preciosos pontos para o Campeonato.


No dia anterior ao arranque do rali a dupla fez um pequeno teste, onde viram um amortecedor ceder, conseguindo contudo reparar o carro a tempo das verificações técnicas.


No sábado, as condições climatéricas acabaram por dificultar a tarefa das equipas, já que a muita chuva deixou os troços algo enlameados e propícios a saídas de estrada.


Como nos salienta o piloto de Guimarães “a prova infelizmente correu-nos muito mal. No primeiro troço houve muita chuva, tornando os pisos muito escorregadios, além de ter provocado o embaciamento dos vidros que, infelizmente, o nosso sistema de desembaciamento não conseguiu eliminar, pelo que a visibilidade era muito má... Assim, seguimos num ritmo extremamente lento de forma a não termos nenhum contratempo, pois não conseguia ver onde estavam os trilhos e andávamos muitas vezes em cima da lama solta. Este embaciamento dos vidros prejudicou-nos ao ponto de na segunda passagem, já com o vidro limpo, termos melhorado o tempo em cerca de dois minutos, apesar de termos andado com muitas cautelas, uma vez que já era impossível recuperar o tempo perdido na primeira especial e era importante terminar a prova para podermos marcar pontos. De seguida, fui lentamente ganhando de novo confiança, mas em Montim 2, sensivelmente a meio do troço, uma pancada numa pedra fez a protecção do carter empenar, ficando a tocar no selector da caixa de velocidades, deixando-a encravada em segunda.”


Neste momento e apesar dos percalços, a dupla do Citroën Saxo cumpria o seu primeiro objectivo, já que terminou a componente desportiva do Regional Nordeste, que realizava apenas as 4 primeiras especiais rali.


Na assistência, a equipa técnica da Bastos Sport esteve mais uma vez excelente, resolvendo o problema dentro dos 30 minutos de assistência disponíveis, não incorrendo, portanto, em nenhuma penalização, o que permitiu à dupla partir muito mais motivada para as últimas quatro especiais da prova.


“Na parte da tarde, à medida que íamos fazendo quilómetros, começava a confiar mais em mim e no carro e desta forma fomos aumentando o nosso ritmo gradualmente, conseguindo atingir um ritmo interessante na parte do meio / final de Lameirinha 2, em que acabamos por conseguir obter um tempo satisfatório”, salientou o piloto.


Estando já a fazer uma boa recuperação do tempo perdido, a dupla viu novamente o azar bater-lhes à porta no último troço. “Seguimos confiantes para o ultimo troço, mas a sorte voltou a não estar connosco, pois ainda na fase inicial do troço de Luílhas, logo a seguir ao gancho de Gontim, a jante da frente direita partiu-se depois de um toque numa pedra, pelo que paramos para a trocar, mas acabamos por perder à volta de 10 minutos na operação pois o macaco não estava a funcionar em condições. Em termos de resultado foi um rali para esquecer, mas nem tudo foi mau, pois sinto que consegui melhorar alguma coisa na minha condução em terra, que é um piso onde tenho pouca experiência e onde não me sentia minimamente à vontade, pelo que estou ansioso que chegue a próxima prova neste tipo de piso de modo a poder evoluir ainda mais”, concluiu Pedro Silva


Pedro Silva e Valter Cardoso terminaram na sexta posição do Campeonato Regional Ralis Nordeste, terceira entre os carros de apenas duas rodas motrizes. Na Taça de Portugal de Ralis, concluíram a prova na 16ª posição da geral.





Press Release, 28 de Maio de 2012
Piloto/Co-Piloto
Luís Mota/Alexandre Ramos
André Mota/David Sousa

“Luís Mota foi segundo na Taça”


A cidade de Fafe foi o palco escolhido para mais uma edição do Rallye Serras de Fafe, prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis, 2 L/2 RM, Taça de Portugal de Ralis e ainda Campeonato Regional Ralis Nordeste.

Para a Competisport o balanço final é muito positivo, já que o Mitsubishi EVO IV voltou a dar cartas!

Luís Mota, que na prova em pisos de terra teve a seu lado Marco Macedo entrou a vencer, sendo o primeiro líder da prova ao vencer a primeira especial. Na segunda especial registaram o segundo tempo e o objetivo era manter a toada para as segundas passagens dos troços iniciais. Contudo a dupla viu o motor sobreaquecer, sendo obrigados a rodar com o ALS desligado e consequentemente não podendo aproveitar ao máximo o EVO IV.

Apesar do tempo perdido não baixaram os braços e tentaram manter a posição nos três primeiros, mas debateram-se com alguns problemas de caixa de velocidades que não ajudou em nada.

Ainda assim a equipa do Cartaxo concluiu a prova e mais uma vez, conseguem subir ao pódio, terminando a prova da Demoporto na segunda posição da Taça de Portugal de Ralis.

Positivo, mas nada fácil foi a prova de José Mendes. O piloto do Opel Kadett, a fazer a sua estreia nos ralis teve alguns percalços devido aos pisos escorregadios além da dificuldade na visibilidade devido ao muito embaciamento dos vidros.

Na parte da tarde e já com os pisos secos, o piloto debateu-se com um problema no corta corrente, que desligou o Opel por diversas vezes no decorrer dos troços. Apesar de tudo o piloto navegado por Pedro Lopes foi cumprindo troço a troço e conseguiu alcançar o pódio final.

Apesar do resultado, o piloto ficou muito satisfeito com esta sua primeira prova, e essencialmente de ter terminado um rali que foi marcado pelas muitas desistências, sendo uma experiência a repetir brevemente!
“Depois dos azares, terminar foi essencial!”

Não correu como o esperado o Rallye Serras de Fafe para o Team Global Stadium, nesta que foi a segunda prova do Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2 RM.

A dupla Ricardo Marques e Paulo Marques partiram bastantes motivados na prova em pisos de terra, mas as más condições climatéricas que se abateram no inicio do rali, acabaram por estragar por completo o rali da equipa do Citroën C2 R2 Max.

Logo no primeiro troço, foram obrigados a parar. Como nos refere o piloto de Vieira do Minho “estávamos a rodar com os vidros muito embaciados, com algumas cautelas, mas chegamos a um ponto que tivemos que parar pois não conseguíamos sequer ver onde estávamos e claro perdemos bastante tempo!”.

Como não bastasse, a equipa teve ainda problemas com os intercomunicadores, durante toda a manhã que os fez perder ainda mais tempo.

Nos troços da tarde, já com os pisos secos, rodaram bem melhor, recuperando algum do tempo perdido, mas a prova estava já condicionada e não valia a pena correr riscos.

“Arrancamos para a parte de tarde do rali já muito atrasados em relação aos nossos adversários, e apesar de rodarmos sem problemas, fomos apenas centrados em terminar. Tínhamos já o rali condicionado e era desnecessário correr riscos e até mesmo esforçar a mecânica sabendo que seria difícil recuperar o tempo perdido. Assim garantimos estes pontos e vamos aproveitar esta longa pausa no CPR para preparar já a próxima prova”, salientou o piloto.

Ricardo Marques e Paulo Marques foram os 5º no CRP 2L/2RM, tendo terminado o Citroën Racing Trophy na quarta posição.

Em termos de CRP absoluto foram os 8º classificados.

O Campeonato prossegue em Setembro com o Rallye Centro de Portugal.

domingo, 27 de maio de 2012


Pedro Peres foi o vencedor em Fafe

O Rali Serras de Fafe terminou com as vitórias de Pedro Peres no CPR, Ivo Nogueira no CPR2 e Vítor Pascoal na TPR.

Tudo normal numa prova que não deixará saudades mas que talvez convenha recordar tal a indigência a que chegou o CPR, com apenas 13 pilotos inscritos e 9 a terminarem a prova. Será que o CPR já bateu no fundo?!

Numa prova com este nível de participantes, pouco haverá para dizer, ainda mais quando um dos (dois únicos) candidatos à vitória, Pedro Meireles, desistiu por despiste logo na primeira especial! A partir daí, Pedro Peres ficou sozinho e bastou-lhe chegar ao final para se estrear como vencedor numa prova do CPR. Uma vitória é sempre uma vitória, mas de certeza que Peres gostaria de ganhar com maior oposição!…

Na segunda posição terminou Miguel Barbosa, que sem possibilidades de se chegar a Peres e sem alguém para o atacar, se limitou também a cumprir o percurso.

Terceiro da geral e primeiro do CPR2, Ivo Nogueira venceu com Paulo Neto bem longe. A desistência, por despiste, de Renato Pita, tirou o pouco interesse que o CPR2 poderia ter tido em Fafe.

Um destaque especial para Pedro Leal que num Peugeot 206 GTI mostrou que quem sabe não esquece, mas também ele não teve adversários com quem lutar. Terminaram 9 pilotos, pelo que todos poderão dizer que ficaram no (por tantos ambicionado) Top10!

Na TPR, embora mais participada, a prova também não proporcionou lutas interessantes, antes foi caracterizada pelo grande número de desistências, Vítor Pascoal venceu com mais de 2:20 de vantagem sobre Luís Mota – que semana após semana continua a participar em ralis! – e 5:44 sobre Helder Miranda, vencedor entre os 2 Rodas Motrizes com um Seat Ibiza. No Troféu Fastbravo, a vitória foi de Jorge Ribeiro.

José Bandeira - Motores Magazine

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Pedro Silva centra objetivos nas duas rodas motrizes



Será já no próximo fim-de-semana que a cidade de Fafe será palco de mais uma ronda dos Campeonatos de Portugal de Ralis, 2 Litros/2 Rodas Motrizes, Regional de Ralis Nordeste e ainda para a Taça de Portugal de Ralis.

A prova a cargo da Demoporto contará com a presença do piloto de Guimarães Pedro Silva, ele que é o líder da competição desde a segunda ronda pontuável para o mesmo.

Este é um dos ralis de eleição para o piloto do Citroën Saxo, pelo que a motivação para a prova em pisos de terra é ainda maior. Por outro lado, este é um tipo de piso onde o piloto não se sente muito à vontade, pelo que o grande objetivo é mesmo se divertir ao máximo, num rali que lhe é muito especial.

Como nos salienta o piloto “Este é um rali que eu adoro, pois desde muito novo que me habituei a ver corridas nos troços de terra de Fafe, que para mim são uma espécie de "solo sagrado". Porém, e apesar ter a certeza que vai ser fantástico percorrer as quatro especiais, sei que vai ser um rali muito difícil, pois não me sinto muito à vontade nos pisos de terra, ao contrário da maior parte dos nossos adversários, além de alguns deles disporem de carros de 4 rodas motrizes, pelo que será muito difícil acompanhar o seu andamento. Assim, o objectivo passa por nos divertirmos ao máximo durante a prova e tentar perder o mínimo de pontos possível, de modo a defendermos a liderança no campeonato”.

Em Fafe, Pedro Silva contará com um novo navegador, pois como nos salienta o mesmo ”o meu habitual navegador, Rui Ribeiro, por motivos profissionais, não poderá alinhar no rali. Assim, serei acompanhado pelo Valter Cardoso, que aceitou o meu convite e irá correr comigo em Fafe. Já efectuamos os reconhecimentos juntos no passado sábado e o entendimento foi perfeito, pelo que estamos bastante confiantes para o rali, em que tentaremos rodar nos primeiros lugares entre os duas rodas motrizes”.

Além do Regional Nordeste, Pedro Silva e Valter Cardoso irão pontuar para a Taça de Portugal de Ralis, de forma a rodar mais alguns quilómetros nos pisos de terra, visto que o regional disputa apenas as quatro primeiras especiais.

A prova realiza-se apenas no Sábado, havendo uma dupla passagens pelos míticos troços de Ruivães, Montin, Lameirinha, e Luilhas, totalizando cerca de 230 quilómetros, dois quais 98 em troços cronometrados.

Press Release, 24 de Maio de 2012

terça-feira, 22 de maio de 2012

Horarios rali serras de Fafe 2012

Rali Serras de Fafe 2012-
A prova irá para a estrada no dia 26 de Maio, com a exclusão da Super Especial e algumas alterações nas especiais de classificação.


Sábado, 26 Maio 2012

1ªEtapa-1ªSecção
Partida Feira Velha - 09h30

Parque de Assistência - Tipo II Parque da Cidade - 09h33

Pec1 Ruivães 1 12,82Km - 10h10
Pec2 Montim 1 8,38Km - 10h38

Parque de Assistência - Tipo III Parque da Cidade - 11h18

Pec3 Ruivães 2 12,82Km - 11h45
Pec4 Montim 2 8,38Km - 12h13

Chegada Feira Velha - 12h40

1ªEtapa-2ªSecção
Partida Feira Velha - 14h20

Parque de Assistência - Tipo II Parque da Cidade - 14h23

Pec5 Lameirinha 1 13,15Km - 15h30
Pec6 Luilhas 1 14,70Km - 15h57

Parque de Assistência - Tipo III Parque da Cidade - 16h42

Pec7 Lameirinha 2 13,15Km - 17h09
Pec8 Luilhas 2 14,70Km - 17h36


Parque de Assistência - Tipo I Parque da Cidade - 18h11

Chegada Feira Velha - 18h40
Podio Feira Velha - 18h45

domingo, 20 de maio de 2012

Rally Mania: José Janela com João Fernando Ramos no Serras de F...

Rally Mania: José Janela com João Fernando Ramos no Serras de F...: João Fernando Ramos terá José Janela como navegador no Rali Serras de Fafe, tripulando um Evo X da RMC Motorsport. O navegador famalicense e...

Simone Faggioli estreia-se a vencer na Rampa da Falperra


 

Faggioli pulveriza recorde da Falperra
  
Faggioli
Tal como já se vinha a adivinhar desde sábado, Simone Faggioli foi o vencedor da 33ª edição da Rampa da Falperra que terminou ao início da tarde deste domingo.
O piloto italiano, que esteve imparável nas três primeiras provas do Campeonato da Europa de Montanha, veio a Braga cumprir a quarta prova com uma vitória, assinando também o novo recorde dos 5200 metros com 1m54,887s a uma média impressionante de 162.94 km/hora.
A concorrência bem tentou, mas o piloto transalpino mostrou-se imbatível ao longo dos dois dias de prova. O checo Benes Milos ficou com a segunda posição mas a mais de oito segundos do vencedor. Fasto Bormolini, o vencedor da prova o ano passado teve que se contentar com o terceiro lugar e a defender-se bem de Otakar Krámský que perdeu por muito pouco o derradeiro lugar do pódio. O espanhol Andrés Vilariño, cinco vezes vencedor da Falperra, foi desta vez o quinto classificado.
Campeonato de Portugal de Montanha
Quando ao Campeonato de Portugal de Montanha, Pedro Salvador não podia desejar melhor regresso com uma vitória que não deixou dúvidas a ninguém por mais de 15 segundos de vantagem. António Nogueira ficou com a segunda posição, mas venceu entre as Categoria 1. Paulo Ramalho, foi terceiro e segunda da Categoria 2, na frente de João Fonseca, que fechou o pódio da Categoria 2. Silvino Pires ficou com o triunfo na Categoria 3.
Desafio Único
No que diz respeito ao Desafio Único, nas suas três Categorias, bem se pode dizer que as coisas ficaram arrumadas no sábado. Como conta a melhor subida de cada um dos dois pilotos, no primeiro dia, visto as condições climatéricas serem mais favoráveis, foram efetuados os melhores tempos.
Nos Fiat Uno, Paulo Varge e Raul Delgado venceram com 2,508s de vantagem sobre Tiago Vilela e Hugo Negrais, enquanto Luis Moura e João Lousada foram terceiros. Nos Fiat Punto a vitória ficou nas mãos de Diogo Gama Rocha e André Regueiro, enquanto Hugo Couto e Luis Carneiro perderam o triunfo por apenas 0,557s. Pedro Cerqueira e José Francisco fecharam a lista dos três primeiros. Por fim, nos Alfa Romeo 156, Serôdio Borges e José Pedro Leite venceram com 0,910s de vantagem sobre Pedro Borges e João Batista. Mário Borges e Luis Carneiro foram os terceiros classificados

quarta-feira, 16 de maio de 2012

"Tem um motor muito potente e é muito estável"
r2tescorO 208 R2 não pára de rolar. Após ter efectuado, este fim-de-semana, 1.074 km de especiais e ligações, como carro de abertura da Volta à Córsega, a última produção dos "ateliers" da Peugeot Sport prossegue, até sexta-feira, o seu programa de testes, nas estradas asfaltadas da ilha da beleza, para definir as afinações ideais para o asfalto. Este teste faz parte dos 6.000 km programados no caderno de encargos, antes da presença oficial no Rali do Ulster.
Uma bateria de testes
Durante o rali, o carro atraiu as atenções do público, dos pilotos, das equipas e dos organizadores. Todos queriam ver o novo R2, quer nos Parques de Assistência, quer nas especiais, e tiveram a oportunidade de perceber que o "pequeno leão" foi fiável e teve um excelente desempenho, durante toda a prova, apesar do calor estival que se sentiu.
O rali foi uma sessão de testes em configuração de corrida, que o carro cumpriu sem problemas, nas mãos dos experientes Stéphane Sarrazin e Benjamim Veillas.
Desde ontem, e até sexta-feira, a equipa de testes da Peugeot Sport continuará a fazer "sofrer" o 208 em estradas conhecidas pela marca do leão, ao sul de Bastia. O teste será comandado por Yann Goraguer, chefe do projecto 208 R2.
Trata-se do segundo teste em asfalto, depois do 208 R2 ter rodado, há algumas semanas no Var. É Germain Bonnefis, vencedor do "Volant 207", no ano passado, que está ao volante.
Yann Goraguer explica a escolha deste local para a sessão de testes: "O primeiro objectivo deste teste é definir o "set up", em especiais onde há grande aderência e que são muito sinuosas, a exemplo do que sucede num grande número de provas na Europa".
É um programa de testes muito intenso para as equipas da Peugeot Sport, que voltarão à estrada dentro de três semanas, na região dos Vosges.
O que pensam os pilotos?
Vários pilotos participaram no desenvolvimento do 208 R2, em terra e asfalto, e entre eles, Stéphane Sarrazin e Craig Breen, o vencedor do WRC Academy 2011.
Eles alternaram ao volante da nova "arma" de Sochaux, com outros pilotos de ralis, com estilos de condução e experiências diferentes, o que permitiu aos responsáveis perceberem os desejos dos pilotos e tentarem adaptar o carro a essas exigências.
Segundo Craig Breen, "o 208 R2 está a corresponder e posso compará-lo a tudo o que existe na categoria R2. Tem um motor muito potente e é muito estável. Conduz-se com facilidade e depressa nos sentimos à vontade e rolamos em bom ritmo".
Por seu lado, Stéphane Sarrazin sublinha que "as mudanças de direcção são muito precisas e o motor 1.600 sobe depressa de rotações, o que permite atacar forte. É um verdadeiro carro de corrida, muito homogéneo, com uma caixa sequencial que nos dá muita confiança, e tem uma travagem potente, o que faz com que seja um super carro que se coloca muito bem."

terça-feira, 15 de maio de 2012

Balanço é positivo”

Terminou de forma muito positiva a prova da equipa da Competisport que no passado fim-de-semana esteve a disputar o Rally Targa Serra da Freita, que teve palco em Arouca.

Num rali que foi marcado pelo muito calor que veio a dificultar a tarefa dos pilotos, Luís Mota e Alexandre Ramos apostaram numa prova regular com um andamento que lhes permitisse andar nas primeiras posições do Regional Norte e Regional Centro.

A dupla rodou nos troços iniciais dentro do 8 primeiros, evoluindo PEC a PEC o seu desempenho no rali. Nas Segundas passagens rodaram já dentro dos cinco primeiros, acabando por terminar o rápido rali na quarta posição da geral do Open de Ralis.

Além disso somaram mais dois segundos lugares, no Regional Centro e também no Regional Norte, competição que lideram destacadamente e onde garantiram já várias vitórias esta época.

Como nos adiantou o piloto do Cartaxo “Este é um tipo de traçado onde não nos enquadramos muito e otamos por fazer uma prova regular sem grandes pressões quanto a resultados. Tudo correu bem, foi uma prova “normal”, onde o carro esteve mais uma vez excelente. Sabíamos que o Daniel ia estar nesta prova mais forte, pelo que otamos por assegurar a segunda posição nos regionais, pois é fundamental para nos mantermos na luta pelo titulo em ambos os campeonatos”.

Luís Mota e Alexandre Ramos irão estar presentes no Rallye Serras de Fafe, a ter palco no final do presente mês, mas desta feita com o Mitsubishi EVO IV.
Press Release, 14 Maio de 2012

Percalços condicionaram rali

O Campeonato Open de Ralis foi este passado fim-de-semana até Arouca para a segunda edição do Rallye Targa Serra da Freita, que contou com a dupla da MR Team, Paulo Moreira e Marco Macedo novo Opel Corsa OPC.

A prova em pisos de asfalto acabou por ser marcada por diversos percalços mecânicos que acabaram por condicionar bastante o desenrolar do rali para a dupla do Porto.

Como nos salienta o piloto “este foi um dos piores ralis que fiz até hoje em termos de problemas mecânicos. Tudo correu mal. Na primeira PEC o carro não desenvolvia e o motor não passava das 5.000 rpm. No final, verificámos que as rodas de trás bloqueavam, percebendo que fizemos toda a especial “travados”. No final da especial conseguimos remediar o problema, mas no troço seguinte, uma saída mais larga originou um furo e decidimos prosseguir até ao final do troço com a roda furada, originando ainda antes do final a rutura do tubo de travões e os últimos 3 kms foram feitos furados e sem travões”.

Apesar de tudo a equipa foi rodando com o novo Opel Corsa OPC, indo subindo também algumas posições. “Na terceira especial, o problema de travões continuaram. Conseguimos reduzir o bloqueio das rodas, mas não conseguimos eliminar totalmente, o que nas travagens fortes provocava um desequilíbrio do carro. Assim, e com este problemas todos, já foi bom terminar. Esperamos ter tudo melhorado já nas Serras de Fafe com o Daniel Ribeiro e andar num ritmo bem melhor da nossa parte em Monção”, concluiu Paulo Moreira.

Após as quatro especiais de classificação, na realidade três pois a ultima foi neutralizada, a equipa do Opel Corsa OPC concluiu o rali na 22ª posição da geral.

A equipa conta com os apoios de Caetano Technik; Sopneus; ENI; BCA; Credibom; Biodouro; Grafite; NSA; Leatronic; Hotel dos navegadores, Tintauto, Irmsher e Monteiros Competições.
Daniel Nunes vence em várias frentes

O Rally Targa Serra Freita marcou o regresso da dupla Daniel Nunes e Daniel Amaral ao lugar mais alto do pódio, numa prova que foi pontuável para o Campeonato Open de Ralis, Campeonato de Portugal Júnior de Ralis, Campeonato Regional Ralis Norte e Regional Centro.



Desta feita contaram com um Mitsubishi EVO VI que esteve em pleno aliado à grande motivação da equipa conseguiram sempre rodar nos lugares do pódio, terminando em pleno a prova em pisos de asfalto ao vencer ainda o derradeiro troço do rali.



Na prova do Targa Clube não há muito a contar. A dupla de Sintra fez uma prova perfeita, sem erros, com um ritmo forte, aliado ao excelente desempenho do EVO VI conseguiram alcançar a segunda posição do Campeonato Open de Ralis.

Além disto estiveram imbatíveis nos diversos Campeonatos na qual estão inseridos. Dominaram o Regional Norte, o Regional Centro e ainda o Campeonato Júnior, saindo de Arouca com três merecidas vitórias, e uma grande colheita em termos de pontos.



Como nos salienta o piloto “O balanço é extremamente positivo. Saímos de «casa» com a intenção de sermos fortes em busca de pontos perdidos e assim o conseguimos fazer. Sair do Rali Serra da Freita com um segundo lugar á geral, 1º do júnior 1º do Centro e 1º do Norte e ainda com uma vitória no derradeiro troço à geral, foi muito bom e bastante motivador para toda a equipa para as próximas provas”.



Daniel Nunes adianta ainda que “foi um rali difícil derivado ao calor mas mantivemos sempre a moral em alta e sempre com vontade de ir mais além na classificação. O carro esteve cinco estrelas e ainda deu para ao longo do rali irmos fazendo uns melhoramentos a nível de acertos de suspensão”.



Daniel Nunes e Daniel Amaral prosseguem agora em Junho com o Rali de Monção, prova em pisos de asfalto a cargo do CAMI.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Rali Targa Serra da Freita

soltafreita212O derradeiro troço do Rali Serra da Freita teve que ser interrompido depois da passagem dos primeiros concorrentes. Falou-se inicialmente num despiste, que motivou a anulação do troço, mas na realidade tudo se ficou a dever a um funeral. Nestas coisas não dá mesmo para negociar.
Tudo indica que em 2013 o Targa possa vir a realizar a sua prova do Campeonato de Portugal de Ralis em Arouca, utilizando como palco a Serra da Freita. A verificar-se seria o regresso do Nacional maior a uma zona de tão grandes recordações para os ralis nacionais.
Carlos Martins conseguiu concluir os quatros troços do rali, mas a três quilómetros da assistência o piloto de Serpa foi obrigado a abandonar devido a uma transmissão partida no Lancer. Ficou o registo de uma boa exibição na primeira época de Martins no Open.
João Barros, o único piloto que até ao momento contestou a superioridade de Peres no Open, também não foi feliz em Arouca. O motor do Saxo Ki-Car cedeu numa reta, ficando por se saber se poderia ter chegado a dar mais luta ao vencer nesta prova.


domingo, 13 de maio de 2012

Peres vence Serra da Freita e vão 4 vitorias n o open

Quarta vitória de Fernando Peres no Open
       
Fernando Peres conseguiu a sua quarta vitória do ano no Campeonato Open de Ralis, ao triunfar na quinta etapa que teve lugar na Serra da Freita, jornada organizada pelo Targa Clube.
O piloto, que é originário da zona desta prova, não teve grandes dificuldades em chegar ao triunfo, embora chegasse a ter alguma pressão por parte de João Barros que veio a ficar pelo caminho com problema mecânicos na terceira especial. A partir dai Fernando Peres ficou mais folgado, pois Daniel Nunes vinha um pouco mais trás e terminou na segunda posição.

Carlos Martins fechou a lista dos três primeiros em termos de estrada, mas não atingiu o final, abrindo assim caminho para que Mário Barbosa ficasse com o lugar mais baixo do pódio. Luis Mota e André Nunes fecharam a lista dos cinco primeiros classificados. No Troféu Nacional de Clássicos, Anibal Rolo levou a melhor sobre Carlos Neves, enquanto Vitor Torres ficou pelo caminho.
Quanto ao troféu Fastbravo, Jorge Ribeiro foi o vencedor, mas teve em Herculano Antas um bom adversário que chegou a liderar, mas terminou nem segundo. Hélio Abreu fechou o lote dos três primeiros.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

“Continuar a adaptação ao carro”



Depois da estreia no Rallye Vidreiro do Opel Corsa OPC, a equipa da MR Team irá prosseguir o seu programa desportivo com a realização do Rali Targa Serra da Freita, que irá ter palco já este próximo sábado em Arouca, numa “jornada” pontuável para o Campeonato Open de Ralis, Campeonato Regional Ralis Centro, Norte e ainda Campeonato de Portugal Júnior de Ralis.

Na prova em pisos de asfalto, o principal objetivo para o piloto do Porto Paulo Moreira é mesmo continuar a evolução à nova maquina que está ainda em fase de evolução, mas que deu já provas de ser um carro extremamente competitivo.



Como nos salienta o piloto “queremos essencialmente continuar a fazer a melhor adaptação ao carro, pois é ainda a segunda prova que fazemos com o mesmo. Neste rali o carro já vai bem mais competitivo, pois após o rali em Vieira do Minho, introduzimos mais algumas melhorias. No momento o mais importante para nós é fazer o máximo de quilómetros, para com um melhor conhecimento do mesmo, podermos tirar todo o partido das potencialidades do carro”.



Paulo Moreira terá um novo navegador para as provas do Open, já que irá contar a partir da prova do Targa Clube com o navegador Marco Macedo. “Este será o meu primeiro rali com o Marco, pelo que será um rali de adaptação, mas acredito que será uma boa parceria, tendo em conta a experiencia do Marco” salienta o piloto.



O Opel Corsa OPC irá estar ainda mais competitivo, pois como já referido, após a realização do Rallye Targa Veira do Minho com Daniel Ribeiro, a equipa técnica dos Monteiros Competições introduziu ainda mais algumas melhorias que o irão tornar ainda mais competitivo. Esta prova irá marcar também a estreia da nova imagem da equipa, onde o Opel Corsa se irá apresentar as novas cores e todos os parceiros deste projeto para o presente ano.

 foto Miguel Castro

O Rali terá duas especiais de classificação que serão percorridas por duas vezes. No total as equipas percorrem 126 quilómetros, dos quais 67 serão em contra relógio! A prova arranca às 14h00, sendo que o pódio final está previsto para as 19h35 em Arouca.



A equipa conta com os apoios de Caetano Technik; Sopneus; ENI; BCA; Credibom; Biodouro; Grafite; NSA; Leatronic; Hotel dos navegadores, Tintauto, Irmsher e Monteiros Competições.



Press Release, 11 Maio de 2012

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Piloto/Co-Piloto
Luís Mota/Alexandre Ramos
André Mota/David Sousa

Competisport centra objetivos no Open, Regional Norte e Regional Centro!


Depois da vitória folgada no Rallye Santo Thyrso a equipa Competisport está já pronta para a próxima etapa, o Rallye Targa Serra da Freita, prova em pisos de asfalto que irá decorrer já este próximo sábado.

Luís Mota e Alexandre Ramos irão estar presentes com o Mitsubishi EVO VII, centrando os seus objetivos no Campeonato Open de Ralis, Campeonato Regional Ralis Centro e Campeonato Regional Ralis Norte.

Esta é uma prova de responsabilidades “acrescidas” para a equipa do Cartaxo, já que são os lideres de dois dos campeonatos para qual o rali pontua, além de serem ainda os segundos no Campeonato Open de Ralis.

No Regional Norte a equipa soma já três vitórias consecutivas, em quatro ralis já realizados, enquanto no Regional Centro contam com duas vitórias nas duas provas que já se disputaram.

Como nos refere o piloto “Vamos tentar entrar motivados no rali. O Carro está muito bom, os quilómetros que fizemos em Santo Tirso deu para ter ainda uma melhor ideia do carro, pelo que penso que reunimos os argumentos para andar nos lugares da frente. Os nossos adversários irão também dar muita luta, mas há que contar connosco, onde vamos dar o nosso melhor, não cometer erros e tentar garantir o melhor resultado possível, pensando sempre na vitória”.

O Rallye Targa Serra da Freita, prova a cargo do Targa Clube, arranca para a estrada às 14h00 em Arouca, seguindo-se a dupla passagem pelos dois troços cronometrados, o primeiro de 13,15 km, o segundo de 20,50 km, num total de 67 km ao cronómetro e 126 no percurso total da prova. O pódio final está previsto para as 19h35 no centro de Arouca.
Daniel Nunes: “Fazer uma prova regular e pontuar!”

Será no próximo sábado que terá palco mais uma ronda do Campeonato Open de Ralis, com a realização do Rallye Targa Serra da Freita. A prova em pisos de asfalto será ainda pontuável para o Campeonato Regional Ralis Norte, Regional Centro e ainda para o Campeonato de Portugal Júnior de Ralis.



Daniel Nunes e Daniel Amaral irão marcar presença na prova do Targa Clube, sendo uma etapa importante para a equipa do Mitsubishi EVO VI já que estão inseridos nos quatro campeonatos para a qual a prova pontua, e dispõem aqui assim de uma boa oportunidade de com um bom resultado fazer uma boa colheita de pontuações para esta época.



Como nos salienta o piloto “Vamos continuar com o andamento que temos vindo a aplicar desde o inicio do ano. Vamos andar regular, tentar claro fazer um bom resultado, mas nunca entrar em loucuras, pois o mais importante de tudo é somar pontos. Todos os campeonatos que alinhamos, tudo ainda está em aberto e queremos continuar a somar o máximo de pontos de forma a nos mantermos nos lugares da frente. Voltamos a ter adversários fortes, mas vamos acreditar sobretudo em nós próprios e acreditar também no potencial do nosso carro que no momento está já pronto para o rali”.



A equipa de Sintra ocupa no momento a 8ª posição do Open, 3º na categoria 2. No Regional Centro são os 4º, enquanto no Campeonato de Portugal de Ralis Júnior são os 2º, tendo garantido já esta época duas vitórias.



O Rali terá duas especiais de classificação que serão percorridas por duas vezes. No total as equipas percorrem 126 quilómetros, dos quais 67 serão em contra relógio! A prova arranca às 14h00, sendo que o pódio final está previsto para as 19h35 em Arouca.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Apostar no Regional Norte

Entre patrocinadores, família e amigos, a jovem piloto do Porto não deixou de agradecer o apoio de todos e explicar os objectivos traçados para esta nova etapa da sua carreira. “Depois de ter iniciado a minha carreira com o Seat Marbella senti que chegou a altura de evoluir um pouco mais e a mudança para o Citröen Saxo foi uma boa aposta. Este carro é muito mais exigente e incomparavelmente mais competitivo mas quer eu como a Laura estamos muito entusiasmadas com esta fase. É logico que temos muito para evoluir e vamos trabalhar nesse sentido. Qualquer que seja o resultado alcançado no final do ano, o mais importante é sentirmos que somos uma dupla muito acarinhada e que os ralis precisam de mais equipas femininas. Este ano as provas do Campeonato Regional de Ralis Norte ficará, sem dúvida, muito mais colorido”, afirmou Daniela Rodrigues.
A dupla do Citröen Saxo contará este ano com o apoio de: Jorge Amortecedores, Raceland, Eventus e Talentus; Ideias Auto; MaquiPesa, Megapeças e Foto Gti.
Estreia em Santo Thyrso
Daniela Rodrigues e Laura Natividade estrearam, no Rali Santo Thyrso ConVida, o novo Citröen Saxo com o qual disputarão, esta temporada, o Campeonato Regional de Ralis Norte. A dupla da equipa “Rali de Salto Alto” foi a vencedora da Classe 1 ao terminar a prova na oitava posição da geral.
Sem nunca terem escondido alguma ansiedade pela estreia oficial do novo carro e com alguns ligeiros percalços durante as setes especiais do rali, Daniela Rodrigues e Laura Natividade não escondiam, no final, a satisfação por terem cumprido o primeiro objectivo do ano. “Começamos muito bem a prova com o quarto tempo na Super Especial e apesar de algum nervosismo ultrapassamos logo aí uma barreira importante. Na segunda especial tivemos uma ligeira saída de estrada e para além do tempo perdido tivemos de gerir o resto do rali de outra forma. Com as condições instáveis que encontramos e com a necessidade de nos habituarmos ao carro o objectivo principal era terminar. Conseguimos vencer a Classe 1, somamos 12 pontos para o campeonato e alcançamos a primeira vitória para a Taça Feminina”, disse Daniela Rodrigues no final do Rali Santo Thyrso ConVida.

domingo, 6 de maio de 2012

Está a andar de Mota
motasantot12Num rali marcado pelo reduzido número de inscritos no Regional, mas também por alguma chuva que apareceu a espaços e por muito público (muito mais que no Rali Targa Vieira do Minho), Luís Mota nem se aplicou a fundo para vencer sem oposição o Rali de Santo Thyrso.
Costuma-se utilizar a expressão "está a andar de moto", quando um assunto se resolve de maneira fácil e simples. Foi precisamente isso que se passou com Luís Mota no Rali de Santo Thyrso.
O piloto do Lancer Evo VII só não venceu a super-especial, porque a disputou à chuva ao contrário de quase todos os seus adversários, mas a partir daí dominou todos os troços e venceu com uma margem muito dilatada.
Para o segundo lugar é que se assistiu a uma luta interessante. Celso Moura ao volante de um Peugeot 205 até foi o primeiro líder do rali, mas a partir da segunda especial tentou sempre lutar pelo segundo lugar, mas António Oliveira, noutro 205, acabou por agarrar essa posição a dois troços do fim do rali, terminando estes dois pilotos no pódios separados por poucos mais de 10 segundos.
António Dias na estreia do BMW 325, podia ter feito um pouco melhor, mas um toque que danificou a suspensão e a roda, levou o piloto a atrasar-se um pouco ficando no 4º lugar.
André Oliveira, a discutir os primeiros lugares no Regional, desistiu cedo com problemas de motor no Peugeot 106.
Em termos de prova extra, Ricardo Costa, a conduzir desta vez um Peugeot 206 S1600, impôs-se também com alguma naturalidade, ficando Paulo Alves em Fiat Punto no segundo lugar e João Sousa no 306 Maxi em terceiro num rali de estreia para si.
LÍDERES DO RALI:
Celso Moura (1ª Pec); Luís Mota (2ª à 6ª Pec)
VENCEDORES DE TROÇOS:
Celso Moura (1); Luís Mota (6)
CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º Luís Mota / Alexandre Ramos – Mitsubishi Lancer Evo VII 25m28,1s
2º António Oliveira / Rui Raimundo – Peugeot 205 GTi a 1m39,3s
3º Celso Moura / Ludgero Leal – Peugeot 205 Rallye a 1m50,2s
4º António Dias / Daniel Pereira – BMW 325 C a 1m56,2s
5º Paulo Gomes / Marco Macedo – Peugeot 306 S16 a 2m30,4s
6º Júlio Bastos / Anibal Pereira – BMW M3 a 3m00,5s
7º Jorge Melo / José Henrique – BMW 325i a 3m39,0s
8º Daniela Rodrigues / Laura Natividade – Citroen Saxo a 5m29,6s

sexta-feira, 4 de maio de 2012

João Sousa aventura-se nos ralis



Será já no próximo fim-de-semana, que o jovem piloto de Vila Real terá a estreia sua nos ralis. O actual Campeão em titulo da Divisão 2 do Campeonato Português de Rallycross, estará presente no Rally Santo Thyrso Convida, este que será o segundo rali da sua carreira, depois da curta participação no Sponsors Rally Day.

Para João Sousa, este será um novo desafio como nos explica o piloto “para mim é tudo novo, o ritmo que tenho que adoptar, o ouvir as notas de andamento, até as próprias ligações até aos troços. Penso que me conseguirei adaptar rapidamente a tudo isso, mas para já sinto um pequeno nervosismo no estômago, pois no Rallycross, era sair da assistência e deslocar-me para a pista, e aqui isso não acontece. Infelizmente a minha participação no Sponsors Rally Day foi demasiado curta, e não consegui adaptar-me as lides dos ralis como queria.” Os objectivos para esta prova “são apenas adaptar-me aos ralis o mais rapidamente e conseguir terminar o rali, independentemente da posição em que ficar, pois sei que de qualquer das maneiras me irei divertir imenso. Os troços são muito bonitos e bastante adaptados à viatura que possuo.”

O piloto terá mais uma vez a seu dispor, o Peugeot 306 Maxi que tantas alegrias lhe deu nas provas de Rallycross “ se bem que o carro foi evoluído durante o defeso da época para ficar mais apto as estradas de ralis. Foram feitas melhorias a nível da caixa, evoluído o motor e as suspensões, assim como a nível de órgãos de segurança para o meu navegador, algo que o carro não possuía.”

Quanto a época, o piloto diz-nos “para já ainda não tenho nada confirmado, apenas que me concentrarei apenas nos ralis. Adorei os anos que passei no Rallycross, e será uma modalidade que estará para sempre no meu coração, mas como piloto senti que era altura de evoluir para outros voos, e outra modalidade. Este ano farei alguns ralis, principalmente a nível do Regional Norte, para o ano, e obviamente dependendo dos apoios que tiver, poderei pensar em algo mais.”

A seu lado, João Sousa contará novamente com o seu amigo e colega de faculdade Bino Santos.

O Rally Santo Thyrso arrancará para a estrada na noite do dia 4 de Maio, com a realização de uma Super Especial citadina com arranque previsto para as 21h30. Sábado, as hostilidades abrir-se-ão pelas 11h13, e a partir daí a equipa número 16, terá pela frente 38.6 quilometros contra o relógio, em três classificativas de dupla passagem.

João Sousa aventura-se nos ralis



Será já no próximo fim-de-semana, que o jovem piloto de Vila Real terá a estreia sua nos ralis. O actual Campeão em titulo da Divisão 2 do Campeonato Português de Rallycross, estará presente no Rally Santo Thyrso Convida, este que será o segundo rali da sua carreira, depois da curta participação no Sponsors Rally Day.

Para João Sousa, este será um novo desafio como nos explica o piloto “para mim é tudo novo, o ritmo que tenho que adoptar, o ouvir as notas de andamento, até as próprias ligações até aos troços. Penso que me conseguirei adaptar rapidamente a tudo isso, mas para já sinto um pequeno nervosismo no estômago, pois no Rallycross, era sair da assistência e deslocar-me para a pista, e aqui isso não acontece. Infelizmente a minha participação no Sponsors Rally Day foi demasiado curta, e não consegui adaptar-me as lides dos ralis como queria.” Os objectivos para esta prova “são apenas adaptar-me aos ralis o mais rapidamente e conseguir terminar o rali, independentemente da posição em que ficar, pois sei que de qualquer das maneiras me irei divertir imenso. Os troços são muito bonitos e bastante adaptados à viatura que possuo.”

O piloto terá mais uma vez a seu dispor, o Peugeot 306 Maxi que tantas alegrias lhe deu nas provas de Rallycross “ se bem que o carro foi evoluído durante o defeso da época para ficar mais apto as estradas de ralis. Foram feitas melhorias a nível da caixa, evoluído o motor e as suspensões, assim como a nível de órgãos de segurança para o meu navegador, algo que o carro não possuía.”

Quanto a época, o piloto diz-nos “para já ainda não tenho nada confirmado, apenas que me concentrarei apenas nos ralis. Adorei os anos que passei no Rallycross, e será uma modalidade que estará para sempre no meu coração, mas como piloto senti que era altura de evoluir para outros voos, e outra modalidade. Este ano farei alguns ralis, principalmente a nível do Regional Norte, para o ano, e obviamente dependendo dos apoios que tiver, poderei pensar em algo mais.”

A seu lado, João Sousa contará novamente com o seu amigo e colega de faculdade Bino Santos.

O Rally Santo Thyrso arrancará para a estrada na noite do dia 4 de Maio, com a realização de uma Super Especial citadina com arranque previsto para as 21h30. Sábado, as hostilidades abrir-se-ão pelas 11h13, e a partir daí a equipa número 16, terá pela frente 38.6 quilometros contra o relógio, em três classificativas de dupla passagem.

Rali de Portugal mantém-se no calendário do WRC

 

Brasil e África do Sul perto de entrar na competição

 

O Rali de Portugal deverá manter-se no WRC em 2013, num calendário que deverá contemplar as provas do Brasil e África do Sul

Há muito se fala nessa hipótese, e ao que parece, a Comissão de Ralis da FIA vai votar na próxima semana o calendário de 2013 do Mundial de Ralis que deverá incluir o Brasil e África do Sul, por troca com a Grécia e a Nova Zelândia, ficando pendente a confirmação das duas novas provas, caso tudo corra dentro da normalidade nos dois eventos candidatos ao WRC que se prevê realizarem-se ainda este ano.
Há vontade de voltar a levar o WRC para África mas a prova da sul africana parece estar a marcar passo, ao contrário do Brasil, onde existem três possíveis localizações para o evento, restando aos organizadores decidirem-se pela sua localização, Curitiba, São Paulo ou Rio de Janeiro. Provavelmente a prova brasileira realizar-se-ia duas semanas antes do Rali da Argentina. No continente americano permanece ainda o Rali do México.
As restantes provas do calendário são o Monte Carlo, Suécia, Portugal, Catalunha, França, Finlândia, Alemanha e Grã-Bretanha, existindo dúvidas relativas à prova italiana. Como Pedro de Almeida, diretor do Rali de Portugal já revelou em entrevista a Autosport, a partir de 2015 será mais difícil ao Rali de Portugal manter a sua prova no calendário, pois existe vontade da FIA em diminuir o número de eventos europeus, trocando-os por provas na Índia, Rússia e as já referidas na África do Sul e Brasil, que certamente entrarão antes disso.